MOBILIDADE SUSTENTÁVEL NAS CIDADES

MOBILIDADE SUSTENTÁVEL NAS CIDADES

Este artigo está também disponível em: fr |

Nuno NUNO

Source: Kia

KIA ANUNCIA ARRANQUE DE CONSTRUÇÃO DE NOVA FÁBRICA DE ELÉTRICOS PBV JÁ EM 2023

A Kia Corporation prossegue a excelente ritmo o processo que irá permitir afirmar-se como fornecedora global de mobilidade sustentável, tendo anunciado que vai construir uma fábrica destinada à produção de veículos para fins específicos (PBV — Purpose Built Vehicles), equipada com a mais avançada tecnologia.

Os PBV representam uma nova área de negócio na indústria automóvel, que assenta na produção de veículos altamente personalizados de acordo com necessidades específicas dos clientes ou de setores de atividade. A multiplicação das missões “last mile delivery” — ou seja, a distribuição e logística eminentemente urbana que decorre da expansão do e-commerce, por exemplo — assim como a proliferação dos serviços de transporte individual, têm colocado estes veículos no centro de soluções de mobilidade que assegurem a sustentabilidade ambiental e a eficiência nas grandes cidades. A Kia é uma das marcas que mais tem liderado este processo, que culmina agora no investimento de uma fábrica totalmente dedicada.

Esta nova unidade, dotada de uma forte componente de inteligência artificial, irá localizar-se no complexo industrial da Kia em Hwaseong, na Coreia do Sul. A empresa planeia iniciar a construção da fábrica no primeiro semestre de 2023, com o objetivo de arrancar com a produção na segunda metade de 2025. Numa primeira fase, irá produzir 100 mil PBV por ano, número que poderá aumentar para até 150 mil unidades, à medida que a procura por este tipo de veículos for aumentando.

«Esta fábrica exclusiva para PBV é um dos principais pilares da nossa estratégia Plano S, no âmbito da qual a Kia procura chegar a uma posição de topo no mercado global deste segmento», referiu o presidente e CEO da Kia Corporation, Ho Sung Song. «Inicialmente, vamos explorar novos mercados com modelos PBV derivados de outros já existentes. Depois, gradualmente, iremos expandir a nossa presença nos mercados mundiais com modelos produzidos de raiz para os fins a que se destinam e equipados com tecnologias de condução autónoma», acrescentou.

A Kia é uma das primeiras marcas do mundo a avançar para o mercado dos PBV e, no contexto do percurso traçado pelo Plano S, pretende chegar a uma posição de liderança neste setor até 2030. Prevê-se que os PBV, quando conjugados com tecnologia de condução autónoma, venham a oferecer um novo modo de transporte verdadeiramente revolucionário, que será mais um contributo para o bem-estar da sociedade e das comunidades de todo o mundo.

A nova fábrica de PBV estará equipada com os mais modernos processos de automação, combinados com tecnologias avançadas que reduzem as emissões de carbono durante os processos de produção. O local contará ainda com secções de pintura limpas e instalações economizadoras de energia, reduzindo ainda mais o impacto ambiental.

Conceito “E-FOREST” para uma produção inteligente

“E-FOREST” designa o novo ecossistema de produção inteligente da Kia, que pretende introduzir inovação nos sistemas de fabrico através do estabelecimento de uma ligação orgânica entre todos os seus elementos, com vista a assegurar mais valor para o consumidor. O “E” inicial significa progresso em toda a indústria de mobilidade em matéria de eficiência e economia. Representa também a ambição de promover a inovação acessível a todos, através da ligação entre elementos como a inteligência artificial, a robótica e as tecnologias da informação e comunicação (TIC), no sentido de oferecer os melhores produtos ao consumidor. A parte desta designação que faz referência à “floresta” remete para um ecossistema que harmoniza todos estes elementos, de forma a que funcionem como um só.

Modelos para os mais diversos fins

A nova fábrica iniciará a sua atividade na segunda metade de 2025, com a produção de um PBV médio, que será o primeiro modelo da Kia concebido de raiz para ser um automóvel deste tipo. Este primeiro PBV terá como base a plataforma “skateboard” da Kia denominada “eS”, desenvolvida especificamente para PBV e capaz de acomodar modelos deste tipo com diversas dimensões e com toda a flexibilidade, de modo a responder a diferentes necessidades dos clientes. Após o lançamento deste modelo, por enquanto apenas designado pelo nome de código “SW”, a Kia pretende diversificar a sua produção, unidades de dimensões “micro” não tripuladas, outras destinadas à logística geral, ao transporte de alimentos frescos ou ao transporte de passageiros e ainda modelos amplos que possam ser utilizados como escritórios ou lojas móveis.

Todos estes inovadores PBV da Kia estarão equipados com funcionalidades OTA (“Over the Air”), que atualizam o software remotamente e em tempo real, acabando assim por diminuir o custo total de aquisição ao mesmo tempo que aumentam a facilidade de utilização.

A Kia continua a introduzir e a participar em múltiplas iniciativas de vanguarda no âmbito da transição para a mobilidade sustentável, de que são exemplo a participação em projetos como o The Ocean Cleanup, Blue Carbon, e RE100 do Climate Group. De realçar também o lançamento do Niro Plus, um PBV derivado e utilizado como táxi 100% elétrico na Coreia do Sul.

Desde 2020 que a Kia definiu, de forma muito concreta, um compromisso de longo prazo para com a mobilidade sustentável, materializado no “Plano S”.  Trata-se de um dos maiores investimentos de sempre em toda a indústria: nos próximos cinco anos, a marca irá alocar a este projeto de grande escala o equivalente a cerca de 21 mil milhões de euros. No âmbito deste plano, a marca prevê deter uma gama de 14 veículos 100% elétricos (BEV) até 2027, com uma cadência mínima de lançamento de dois modelos por ano, já a partir de 2023. O objetivo é fazer crescer as vendas de BEV para 1,2 milhões de unidades até final da década, altura em que se estima que o peso destes veículos nas vendas globais da marca venha a atingir cerca de 52%.

A marca comprometeu-se ainda a atingir a neutralidade carbónica até 2045, antecipando em cinco anos a meta definida, por exemplo, pela União Europeia.

Comentários