60 ANOS DO CITROËN AMI 6

60 ANOS DO CITROËN AMI 6

This article is also available in: fr | en | es | it | de

NUNO

«Este modelo não se destina, de forma alguma, a substituir o 2 CV, do qual difere por completo (...)». À época, o comunicado de imprensa da Citroën, em 1961, deve ter causado tanta surpresa como as próprias formas do Ami 6. No entanto, este “pequeno grande automóvel”, com as suas dimensões compactas e habitabilidade generosa, acabaria por se afirmar para além da sua silhueta única, ultrapassando um milhão de unidades produzidas, mais de metade das quais na versão Break, lançada em 1964.

CITROËN AMI 6:  UM LOOK ÚNICO GRAÇAS AO SEU TEJADILHO EM “Z”

Depois de desenhar o Traction Avant, o 2 CV e o DS com a equipa de design Citroën, Flaminio Bertoni ficou encarregue da criação de um modelo de gama média, internamente designado “Projeto AM”. O resultado foi o Ami 6, a sua obra-prima, como o próprio revelou à sua equipa. Pela primeira vez, Bertoni teve a oportunidade de se expressar plenamente e sozinho, sem nenhuma influência externa na definição do estilo deste modelo. No Ami 6, atreveu-se a desenhar um óculo traseiro invertido, que não só se mantinha limpo quando chovia, como também permitia uma bagageira de abertura convencional e boa capacidade, e um amplo espaço nos bancos traseiros, tudo num formato de dimensões reduzidas.

CITROËN Ami 6 na fábrica La Janais — Source: Citroën

O seu motor de dois cilindros, com 602 cc, foi desenvolvido a partir do bloco do 2 CV. Combinando uma frente de linhas elaboradas e grandes faróis retangulares – uma estreia na época – um capot mergulhante, um tejadilho do tipo pagode e flancos realçados por linhas estampadas, o Ami 6 apresentou-se com uma personalidade forte, ou um “estilo barroco”, como afirmaram alguns observadores da altura. O Ami 6 não foi apenas surpreendente em termos estéticos, também inovou em termos de marketing, mostrando-se em campanhas publicitárias como “o segundo carro ideal para as senhoras”. O interior do Ami 6 teve inspiração direta no modelo DS, uma referência neste campo. Do volante monobraço aos manípulos das portas e comandos e bancos, tudo se assemelha ao então topo de gama da Citroën.

Já em estrada, foram unânimes os elogios em torno do seu comportamento e da agilidade deste sedan, herdados da famosa suspensão do 2 CV. Em linha com o espírito Citroën, o Ami 6 mostrou-se, desde o início, um automóvel original e inovador. Os fãs incondicionais mostram particular interesse nas versões Club, com quatro faróis e pneus com faixas brancas, comercializadas a partir de setembro de 1967. O slogan publicitário mais expressivo do Ami 6 continua a ser “A relação conforto/km mais barata do mundo”.

CITROËN Ami 6 — Source: Citroën

AMI 6 BREAK: A QUINTA PORTA DO SUCESSO

O ponto de viragem decisivo ocorreria no final de 1964, com a chegada de uma pequena Break (com 320 kg de carga útil) concebida por Henri Dargent (assistente de Flaminio Bertoni) e por Robert Opron (sucessor de Bertoni, entretanto falecido em 1964). Esta Break iria impulsionar as vendas e, nesse aspeto, acabaria por ultrapassar o sucesso da berlina, um caso raro na história do automóvel.

Modelo mais consensual, as suas linhas também ofereciam uma bagageira de grande volume para um veículo de passageiros desta classe, bem como um acesso fácil e prático. Versátil, permitia a uma família viajar com um conforto apreciável, sendo também compatível com uma utilização profissional, tanto em funções comerciais como ao serviço de um artesão.

O Ami 6 tornar-se-ia o automóvel preferido dos franceses em 1966. A produção da Berlina terminaria em março de 1969, seis meses antes do fim de carreira da Break, dando lugar ao novo Ami 8, menos invulgar, já com um óculo traseiro montado na “posição correta“. Este último foi, depois, substituído pelo Visa, em 1978.

Ficha técnica do CITROËN Ami 6 — Source: Citroën

CITROËN AMI 6: SABIA QUE…

  • O nome Ami 6 vem de uma mistura fonética das palavras do nome do projeto (veículo AM), da palavra “miss” (“senhorita” em inglês) e “amici” (“amigos” em italiano), provavelmente inspirada no seu designer, o também italiano Flaminio Bertoni.
  • Yvonne de Gaulle, esposa do General de Gaulle, deslocava-se num Ami 6. Tratava-se de uma unidade inaugural da fábrica Citroën em Rennes-La-Janais, quando esta ainda estava em construção, a 10 de setembro de 1960, pouco mais de um ano antes do início da produção do modelo.
  • A Citroën organizou um raide designado “Le Tour de Gaule d'Amisix”, com início em Rennes-La-Janais, a 19 de janeiro de 1966, com dois Ami 6 Break completamente de série, de forma a demonstrar a sua resistência e qualidades dinâmicas. Ao fim de 23 horas e 11 minutos, a equipa totalizaria 2.077 km percorridos, a uma velocidade média de 89,6 km/h.
  • Em junho de 1963, o Ami 6 foi apresentado nos EUA. O modelo de exportação adota quatro faróis redondos e para-choques reforçados.
CITROËN Ami 6 pronto para sair — Source: Citroën
  • Locais de produção: Paris (França): de 1961 a 1963; Rennes-La-Janais (França) de 1961 a 1969, tendo sido o Ami 6 a inaugurar esta nova fábrica na Bretanha, representando a primeira grande descentralização da Citroën da cidade de Paris; Forest (Bélgica): de 1961 a 1969; Catila (Argentina), com a produção do Ami 6 Break a continuar até 1971 (os carros eram enviados em peças para montagem local).
  • No total foram produzidas 1.039.384 unidades do Ami 6: 483.986 Berlina (de abril de 1961 a março de 1969), 551.880 Break (de outubro de 1964 a setembro de 1969), 3.518 Entreprise, uma variação comercial do Ami 6 Break, com dois lugares, com versões vidradas e de painéis sem janelas.
  • Nos últimos modelos Ami 6 produzidos, a intensidade da luz do mostrador pode ser ajustada com um pequeno botão que controlava um reóstato.
  • Atualmente, uma unidade Ami 6 em pleno funcionamento e bom estado pode alcançar uma valorização a partir dos 5.000 euros.
  • Ou em alternativa, é possível adquirir um Ami 6 em miniatura, na escala 1/43, por 37 euros, estando disponível na boutique Citroën Lifestyle (no caso, uma versão Ami 6 Berline, de 1967, na cor Cinzento Typhon).

Comentários