TRANSPORTE AUTÓNOMO EM TERMINAIS INTERMODAIS ALEMÃES

TRANSPORTE AUTÓNOMO EM TERMINAIS INTERMODAIS ALEMÃES

This article is also available in: de | en |

NUNO

ANITA — O PRIMEIRO PASSO EM DIREÇÃO A UM FUTURO DIGITAL NO TERMINAL INTERMODAL DE ULM DORNSTADT ESTÁ COMPLETO: A BASE CIENTÍFICA PARA O TRANSPORTE TOTALMENTE AUTOMATIZADO NAS INSTALAÇÕES FOI ESTABELECIDA

Em Ulm Dornstadt, a Deutsche Bahn, a MAN Truck & Bus, a Fresenius University of Applied Sciences e a Götting KG estão a moldar o mundo digital do futuro como parte do projeto ANITA: no futuro, camiões totalmente automatizados funcionarão de forma independente no terminal de contentores da DB Intermodal Services e do Terminal DUSS (Deutsche Umschlaggesellschaft Schiene-Straße mbH). Desta forma, o transporte combinado pode ser organizado de forma mais eficiente e flexível. Isto cria incentivos para um transporte rodoviário ainda mais amigo do ambiente.

Para que os camiões e as instalações do terminal “comuniquem”, a Fresenius University of Applied Sciences apresentou agora os resultados do seu estudo. Durante o estudo, os cientistas, em cooperação com a MAN Truck & Bus, analisaram o comportamento de pessoas e máquinas no local para convertê-los em processos digitais e conjuntos de regras. É assim que um diagrama de circuito modular para transporte autónomo deve ser criado.

Processos logísticos — Source: MT&B

«Para usar camiões autónomos em processos logísticos, é importante entender os requisitos operacionais típicos e considerar as interfaces necessárias numa fase inicial. É por isso que nos concentramos consistentemente na relevância prática específica e na experiência logística e científica nos nossos projetos de condução autónoma. Como tal, o trabalho fundamental da Fresenius University of Applied Sciences é muito importante para nós», afirma Andreas Zimmermann, Chefe de Desenvolvimento Avançado de Eletrónica da MAN Truck & Bus.

Os processos logísticos estão a ser reconfigurados de forma inovadora como parte do projeto ANITA (Inovação Autónoma em Operações de Terminais). «Tanto a digitalização como a automação são fatores decisivos no desenvolvimento futuro das operações do terminal. Permitem realizar o transporte com mais rapidez, eficiência e previsibilidade e aumentar a capacidade da infraestrutura existente», explica Andreas Schulz, Diretor Superintendente da DUSS. «O controlo do sistema digital permite que o camião sem motorista seja integrado suavemente nos processos logísticos do terminal», disse Christian T. Haas, chefe do Instituto de Pesquisa de Sistemas Complexos da Fresenius University of Applied Sciences, deixando claro que o que está por trás do projeto é essencial para todas as etapas seguintes.

Processos logísticos — Source: MT&B

Haas e a sua equipa também analisaram e compararam os processos logísticos noutros terminais de contentores da DB AG na Alemanha antes do início do projeto. Afinal, a plataforma digital deve ser configurada de forma a servir de base para outros locais de transporte de camiões autónomos — como terminais de contentores, portos ou instalações industriais. Essas funções devem ser protegidas através de uma estrutura modular. «O nosso objetivo aqui é começar a usar camiões autónomos e minimizar os ajustes necessários na infraestrutura, pois geralmente são caros e demoram muito», acrescenta Haas. «Para tornar o mais fácil e económico possível colocar a tecnologia em uso no mundo real

O facto de que as estruturas em tais projetos são altamente diversificadas com base no local é um verdadeiro desafio. São sistemas abertos e complexos que envolvem um grande número de pessoas — desde o agente de transportes, ao operador da grua e ao planeador de requisitos de materiais. Adicionalmente, as decisões humanas espontâneas ocorrem simultaneamente com processos automatizados. Um desafio significativo, como Haas explica: «Ao contrário dos humanos, um sistema automatizado não pode improvisar ou quebrar as regras; deve haver uma instrução clara de ação para cada situação

Processos logísticos — Source: MT&B

A fase de análise do processo já foi concluída em Ulm e em todo o país, o que significa que a transferência para o software de planeamento de missão pode agora ocorrer. A linguagem de requerimento de contrato da empresa Deon Digital será utilizada num processo de desenvolvimento como este pela primeira vez, e garantirá o maior grau de fiabilidade possível na troca de informações entre as entidades. Os resultados da análise são então incorporados no processo de desenvolvimento do camião autónomo. A MAN é responsável por esta etapa em cooperação com Götting. Assim que a fase de desenvolvimento e implementação estiver concluída, o software de planeamento do projeto e o camião serão testados em operações reais em Ulm, com um motorista de segurança a bordo o tempo todo.

As viagens entre o terminal DUSS e o depósito de contentores da DB Intermodal Services também servem para estabelecer os pré-requisitos técnicos para o transporte hub-to-hub operado de forma autónoma. «Rotas fixas entre centros de logística são ideais para a operação de camiões autónomos e, portanto, um ponto focal para a MAN nos seus esforços para desenvolver sistemas de condução autónoma», diz Andreas Zimmermann, explicando um aspeto adicional do projeto ANITA. Além disso, a DB AG está a analisar a possibilidade de transferência dos resultados para outros terminais, com o objetivo de desenvolver um roteiro para o Terminal 4.0 do futuro. O quadro jurídico para tais operações foi recentemente adotado pelas câmaras alta e baixa do parlamento alemão na forma da Lei de Condução Autónoma que, em princípio, permite o uso de sistemas de veículos autónomos na Alemanha em áreas operacionais definidas, como em rotas entre hubs logísticos, e com supervisão técnica.

Author: MAN TRUCK & BUS

Comentários