NOVA GERAÇÃO VDL CITEA

NOVA GERAÇÃO VDL CITEA

Giancarlo Terrassan GIANCARLO TERRASSAN

VDL Hool Stand, Busworld Europe-Bruxelles 2019 — Foto: Jornal Strada – Giancarlo Terrassan

Mais uma vez, em ocasião da 25ª edição da Busworld, a VDL demonstrou estar a apostar na vanguarda tecnológica, no TCO e no ambiente.

VDL Hool Stand, Busworld Europe-Bruxelles 2019 — Foto: Jornal Strada – Giancarlo Terrassan

«A inovação é o mais importante motor para conseguir concretizar os nossos objectivos. Somo orgulhosos da nossa posição de liderança e conseguir desenvolver novas soluções de mobilidade sustentável, mas estamos também conscientes que muitos mais fascinantes desafios estão à nossa espera, no futuro da nossa “caminhada”. A força da nossa inovação reside na capacidade e vontade de colaboração, com os nossos clientes, fornecedores e outros parceiros de negócio. Característica fortemente vincada no nosso DNA. O desenvolvimento tecnológico é sem dúvida importante, ma especialmente para criar novas possibilidades. Veículos mais bem equipados a nível tecnológico, permitem garantir mais segurança passiva e activa para os próprios motoristas e passageiros, como também para os restantes utilizadores da via pública. A tecnologia serve para melhorar o apoio ao trabalho do próprio motorista, aumentar a eficiência do veículo para permitir um melhor aproveitamento e diminuir o TCO para a empresa, mas também para diminuir o seu impacto ambiental em todas as suas vertentes.

Enfim, o nossa objectivo é encontrar formas que permitam desenvolver significativamente soluções de mobilidade sustentável, as quais permitam melhorar a qualidade de vida para todos os que trabalham e vivem nas nossas cidades. Um veículo eficiente e confortável tem que ser também atractivo para os próprios passageiros, porque este é um dos outros factores de relevante importância.» Declarou Henk Coppens, CEO da VDL Bus & Coach.

Foi neste importantíssimo certame que a VDL Bus & Coach decidiu apresentar, pela primeira vez à imprensa mundial e ao público a sua última inovação, a nova geração dos autocarros urbanos Citea, juntamente, à versão de 12,9 m do Citea 100% eléctrico.

Começamos pela nova geração Citea que estava representada pelo Citea LLE-120 Diesel — LLE significa Light Low Entry. Para melhorar a eficiência e os consumos dos motores Euro 6 de última geração, diminuir as emissões de CO2 e minimizar a pegada ecológica, além de reduzir ainda mais o TCO, o Citea foi revisto totalmente e, sob o ponto de vista aerodinâmico, voltou a ser testado no túnel do vento da Universidade Técnica de Eindhoven.

Alex de Jong, Business Manager Public Transport da VDL Bus & Coach, frisou: «Conseguimos obter uma performance melhor do que a de outros autocarros que utilizam tecnologia híbrida, somente reduzindo o peso de alguns elementos e aplicando um novo design. O resultados destas alterações foi tão importante que decidimos aplicar o novo frontal também ao Citea LLE Electric, o que permitirá aumentar a autonomia e percorrer mais quilómetros.»

O secundo veículo VDL apresentado pela primeira vez aos jornalistas e ao público, foi o Citea SLE-129 Electric um Low Entry de 12,9 m com 3 portas, baseado no sistema de propulsão do SLF e equipado com um pack de baterias de elevada capacidade de 288 kWh. Esta versão é adequada para efectuar percursos mais longos. No tecto pode ser equipado com pantógrafos tradicionais ou preparado para sistema que utiliza a estrutura com pantógrafos invertidos — para carregamentos rápidos.

Uma versão articulada de 18 m, um Citea SLFA-180 Electric equipado com um pack de baterias de elevada capacidade de 288 kWh, estava disponível para testes no exterior. Actualmente, são mais de 260 exemplar os Citea SLFA-180 Electric e SLFA-181 Electric operativos, sendo a solução eléctrica mais procurada nas cidades com linhas de alto desempenho.

Os Citea Electric são nitidamente o orgulho da VDL, que em ocasião da Busworld estava preste a comemorar um facto histórico: os 450 VDL eléctricos, operacionais nas várias cidades europeias, que percorrem diariamente 75.000 km, estavam prestes a alcançar os 40 milhões de km percorridos. Até o final de 2019, a VDL tinha previsto entregar outros 420 Citea Electric. Actualmente, na Holanda, circulam mais de 300 autocarros eléctricos VDL, o que corresponde anualmente em mais de 20.000 t de CO2 a menos, emitidas para a atmosfera.

Na gama Futura, foram 3 os autocarros de turismo em destaque: o Futura FDD2-141/2600, o Futura FHD2-129/2100 e o Futura FHD2-139/2300.

Destacamos que o Futura FHD2 foi vencedor do “SBY 2020” (Sunstainable Bus of the Year) na categoria Coach. O Futura FHD2 era um dos concorrentes ao prémio “SBY 2020” juntamente ao Mercedes-Benz Tourismo e ao Scania MD LNG.

O Futura FHD2-129/2100 exposto numa versão de topo, estava equipado com os luxuosos bancos VDL Class 500 com uma configuração 53+1+1+1.

Ao sue lado, estava exposto um Futura FHD2-139/2300 de 3 eixos, com bancos VDL Class 300 numa configuração 57+1+1+1, cuja particularidade residia na presença de um elevador colocado sobre os eixos traseiros e da possibilidade de poder retirar completamente os bancos necessários para poder acomodar até 15 cadeiras de rodas.

Para finalizar, um belíssimo double-deck Futura FDD2-141/2600 completava a gama Futura. Uma versão ultraluxuosa com uma configuração 48+2+1+1, com 3 bancos por fila e equipado com todas as comodidades, desde as conexões USB e tomadas de 220 V, até uma cozinha totalmente equipada.

O Futura FDD2 está disponível nos comprimentos 130 e 141 — nesta última, a configuração máxima é de 96+1+1+1 — e é equipado com um propulsor Paccard MX-13 de 530 cv e um torque de 2.600 Nm acoplado a uma caixa automatizada ZF TraXon. Para as versões específicas para o transporte urbano, a motorização é um MX-11 de 450 cv e um torque de 2.300 Nm acoplado a uma caixa automática ZF Ecolife.

As novidades, todavia, vão além dos veículos em si, envolvendo a tecnologia em todas as suas vertentes, em prol do TCO, da segurança e do ambiente.

A utilização de peças de desgaste com uma vida útil aumentada, componentes accionados electricamente, sistemas de segurança e de apoio à condução, contribuem também para uma substancial redução do TCO. Um factor de primária importância para os operadores. Menos acidentes, correspondem também a menos custos de reparação e de tempo de paragem do veículo na oficina.

Os tradicionais espelhos, são inexoravelmente destinados a desaparecer, sendo substituídos pelas câmeras, uma série delas, que permitem ao motorista uma visão mais completa ao redor do veículo — câmeras em lugar de espelhos, aumentam a aerodinâmica.

Um ulterior sistema opcional de segurança que destacamos é o Mobileye Shield+. Um complexo e completo sistema, que apoia o motorista na difícil tarefa de conduzir em meio urbano, com todos os seus perigos, e engloba também o LDW (Lane Departure Warning), P&CCW (Pedestrian & Cyclist Collision Warning) e BSD (Blind Spot Detection).

Comentários